Bombeiros em Brumadinho estão tendo de tomar remédio para buscar vítimas: por quê?

Quando a barragem da mineradora Vale se rompeu em Brumadinho, um mar de lama devastou a cidade do interior de Minas Gerais. A estimativa é que 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos tenham varrido o que estava pela frente.

Desde 25 de janeiro, data do que está sendo considerado o maior desastre com barragem da década, bombeiros têm atuado na busca por sobreviventes da tragédia que já matou dezenas de pessoas.

Porém, o trabalho da equipe em meio à lama não é simples e coloca a própria saúde de membros da corporação em risco.

Por esse motivo, medicamentos têm sido dados a bombeiros que estão trabalhando em Brumadinho para amenizar os efeitos do contato com a lama potencialmente tóxica, segundo informações confirmadas pela assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais à BBC e reiterada extraoficialmente por um membro da corporação ao VIX.

Lama de Brumadinho: por que é perigosa?
Material orgânico em decomposição
O número de mortos em Brumadinho impressiona. Além das vítimas, ainda há centenas de corpos desaparecidos em meio à lama, animais mortos e mesmo a flora da região foi destruída com o material vindo da barragem.

Esse material orgânico, quando inicia o processo de decomposição, também oferece riscos pelo desenvolvimento de bactérias, como a Clostridium, que conseguem viver em ambientes adversos como a lama de Brumadinho e podem contaminar o corpo humano.

“A pessoa apresenta diarreia, conjuntivite, coceira”, diz a infectologista Raquel Muarrek sobre os sintomas gerados pela contaminação bacteriana.

Metais pesados
A lama de Brumadinho não é apenas uma mistura de terra e água. Parte do quadrilátero ferrífero de Minas Gerais, a cidade vive da mineração e, por esse motivo, seus rejeitos apresentam metais pesados, como o mercúrio e o arsênio.

Essas substâncias, quando acumuladas no organismo, são responsáveis por provocarem reações maléficas.

“É possível ocorrer diarreia, náuseas, dor de cabeça, confusão mental. Mas também é possível que existam pessoas que não vão sentir absolutamente nada”, pondera Raquel.

Riscos a curto, médio e longo prazo
Diarreia, náuseas, dor de cabeça, confusão mental são classificados por Raquel como riscos agudos ou que se manifestam a curto prazo.

A dimensão dos riscos do contato de uma pessoa com a lama de Brumadinho pode ser analisado, também, em médio e longo prazo.

Em relação aos riscos a médio prazo que a decomposição de material orgânico oferece, a médica cita a presença de moscas e mosquitos que ajudam a proliferar doenças como a febre amarela e a leishmaniose, além do trânsito de ratos que transmitem leptospirose. “É como se você estivesse andando no esgoto”, pontua.

Além disso, o contato com metais pesados também não é nada saudável. “Doenças autoimunes passam a se manifestar muito mais facilmente com a permanência na região.”

A longo prazo, porém, os riscos do contato com os metais pesados expostos com a lama de Brumadinho pedem atenção maior.

“Tudo o que se entra no corpo por tempo prolongado quebra barreira. Você manifesta com perda de equilíbrio da imunidade, sujeitando o corpo a infecções. Existe, ainda, desequilíbrio celular, com a possibilidade de doença oncológica [como cânceres].”

O que fazer
De acordo com a infectologista, o uso de medicamentos para amenizar os efeitos colaterais instantâneos da lama funcionam em um primeiro momento. Entretanto, é impossível saber quais são as futuras consequências do contato da equipe de bombeiros ou da população de Brumadinho com o material.

“Depende do equipamento de proteção individual usado lá. A gente precisa melhorar a qualidade do material”, afirma Raquel.

Em relação à população que deve permanecer em Brumadinho, a orientação da médica é que ela se afaste da lama infectada e evite ao máximo formas de contágio, como andar descalço ou alimentar-se de animais que bebem de água que esteve em contato com a lama.

“Os riscos oferecidos por metais dependem da quantidade e tempo de permanência do contato com os metais. Mercúrio, por exemplo, tem efeito cumulativo. É preciso tempo para para saber. Melhor deixar essas pessoas o mais longe possível da lama.”

Fonte: www.radiopiratuba.com.br

Outras Notícias

Ministério Público tem vagas para estágio

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) abriu nesta quinta-feira (14/2) as inscrições para um novo processo sel...

Reforma do assoalho da ponte férrea quase no fim

Iniciada em outubro, as obras de recuperação do assoalho da ponte rodoferroviária em Marcelino Ramos/RS estão muito p...

CASARÃO ABERTO À VISITAÇÃO, GUARDA A MEMÓRIA DE PIRATUBA EM 70 ANOS DE HISTÓRIA

Piratuba - O espaço chama a atenção pelo acervo histórico e a nostalgia de um ambiente que já se tornou atrativo turí...

Dia 18 de FEVEREIRO - PIRATUBA 70 Anos - PARABÉNS!

Piratuba - A Associação Comunitária e Cultural Amigos de Piratuba - RÁDIO PIRATUBA FM, parabeniza todos os PIRATUBENS...

Inaugurada a cancha de laço do Parque de Exposições de Capinzal

Capinzal - Na manhã deste domingo (17) foi realizada no Parque de Exposições Domingos Pellizaro em Capinzal a solenid...

Previdência: Proposta é de idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres

Bolsonaro tomou decisão em reunião com ministros, informou Rogério Marinho. Período de transição previsto é de 12 ano...

Alagamento suspende atendimento na Central de Plantão Policial

A Central de Plantão Policial de Chapecó suspendeu o atendimento na manhã desta sexta-feira (15). O motivo foi a fort...

Grande volume de chuva causa alagamentos em Xanxerê

A Defesa do Civil do município de Xanxerê informou que das 18h de quinta-feira (14) até as 6h desta sexta-feira (15) ...

Escolhas de vagas do Concurso Público e Processo Seletivo do Magistério ocorrem neste sábado (16)

O cronograma para a escolha de vagas dos aprovados e classificados no Concurso Público e no Processo Seletivo já foi ...

Polícia Civil desarticula esquema milionário em Xaxim

Delegacia de Polícia Civil da Comarca da Fronteira de Xaxim prendeu em flagrante no início da tarde desta quarta, 13,...

Em Concórdia muita procura pela placa do Mercosul

Ainda não há emplacamento de veículos com placas do Mercosul na região, Aliás, Santa Catarina ainda não iniciou tal m...

Sine: Concórdia com mais de 200 vagas de emprego

Concórdia é um dos municípios de Santa Catarina com mais oferta de empregos semana, segundo a Secretaria de Assistênc...